15262968087252016

Com todo bebê, nasce uma mãe, porém a fase de adaptação, no pós parto, é marcante, intensa e pode gerar um pouco de estresse até que a família se adapte à nova rotina.

Além do turbilhão de hormônios, no período pós-parto, ou puerpério, a mulher renasce como mãe. Mas para isso, é preciso viver o “luto” da mulher que um dia foi, para dar lugar a uma pessoa mais forte e caridosa, e assim oferecer o melhor para seu bebê.

Nem sempre esse processo é fácil. São muitas informações, mudanças, rotina agitada e privação do sono, mas é possível viver esse turbilhão e controlar o estresse. Confira algumas dicas:

– Tenha uma rede de apoio: não tenha medo de delegar, conte com a ajuda de familiares mais próximos, e principalmente com o pai da criança. Mesmo que a nova mãe deseje ter o pleno cuidado com seu bebê, não há mal em contar com alguém para as atividades domésticas, ou mesmo para apoiá-la e dar segurança nos momentos complicados.

– Respeite suas vontades: natural que a nova mamãe fique inteiramente dedicada ao bebê, e queira se resguardar do mundo de fora para curtir ao máximo sua cria. Não se sinta mal caso queira deixar as visitas para depois, ou mesmo evitar estresse com palpites indesejados. Explique sua vontade de se isolar por um período e ela deve ser respeitada.

– Não romantize a maternidade: quanto mais bem informada uma nova mãe, menos esse momento se tornará um bicho de sete cabeças. A informação faz com que a mulher esteja mais bem preparada para o que vem adiante, sabendo lidar melhor com as possíveis frustrações, medos e entendendo que qualquer sensação turbulenta é absolutamente normal.

– Saiba que tudo passa: apesar desse momento nebuloso que é o puerpério, tudo passa, e passa rápido. Às vezes mais rápido do que gostaríamos, portanto, aproveite porque essa é uma fase única, um momento mágico e intenso na vida de uma mulher e de seu bebê.

Recomendados

Qualidade do sono das mamães com bebês recém nascido
Leia mais...
Ansiedade: quando a aceleração dos pensamentos é problema
Leia mais...
5 novos tipos de insônia segundo estudo científico
Leia mais...
Insônia: a doença que afeta 40% dos brasileiros
Leia mais...
O que fazer quando o parceiro (a) não entende a sua depressão?
Leia mais...

0 comments

Responder