4_Capa_Pasalix_julho.png

O mundo dos bebês é recheado de surpresas, e como dizem por aí, “somente vivendo” para entender a complexidade da rotina com os pequenos. Em pouco tempo já é possível perceber que muito do que se acreditava antes de ter filhos, são mitos e palpites infundados, pouco aplicados na realidade. O sono do bebê é um desses temas, e que por vezes, pode deixar os papais de cabelo em pé. Confira.

O mito dos “bebês precisam de silêncio e ambiente à meia luz”: um ambiente calmo e tranquilo é interessante não somente para o recém-nascido, como também para a puérpera. Porém, ao nascerem, os bebês vão desenvolver o ciclo circadiano, e com o tempo vão descobrir que o dia e a noite são coisas diferentes. De dia, existe o barulho, pessoas acordadas e conversando e a luz é forte, já ao entardecer o ritmo vai diminuindo até chegar ao período noturno, que o silêncio e o escuro indicam que é hora de dormir. Um bebê que dorme bem a noite, provavelmente é um bebê que aprendeu bem essa rotina.

O mito do “engrossar o leite para o bebê dormir mais”: independente da forma de alimentação, bebês possuem o ciclo do sono mais curto que os adultos, por isso acordam diversas vezes. Além disso, não é recomendado o uso de engrossantes do leite, já que em longo prazo esse pode ser um gatilho para o excesso de peso e surgimento de doenças.

O mito do “bebê está chorando porque está com dor ou sofrendo”: nem sempre, já que o choro é a melhor forma de comunicação do bebê. Choro pode significar algum incômodo, fome ou até mesmo desejo de ficar aninhado aos pais. Além disso, é natural que os maiores chorem na hora de terem seus hábitos noturnos treinados, mas em algum momento os pais terão que lidar com isso. Aqui a dica é o bom senso: não deixar o pequeno desamparado, mostrar que está por perto, mas que é a hora de dormir. Outra dica é perceber se esse é um choro que antecede ao sono, ou um choro que vai levá-lo ao estresse (se for, interrompa o processo). Para evitar o estresse, leve o bebê para o berço quando ele já estiver no limite para dormir.

O mito do “cama compartilhada vai deixar o bebê mal acostumado”: alguns pais optam pela cama compartilhada já que, de início, os bebês acordam diversas vezes durante a noite para serem amamentados, e essa é uma forma da mãe poder descansar da rotina exaustiva com um recém-nascido. Além disso, a cama compartilhada proporciona um vínculo maior entre mãe e filho e sem dúvida, para o bebê transmite mais segurança e acalento. Porém, são importantes que sejam seguidas algumas normas de segurança para evitar acidentes e sufocamentos.

Recomendados

Surto de depressão e ansiedade no Brasil?
Leia mais...
Yoga pode melhor os sintomas de depressão e ansiedade
Leia mais...
Amigos constroem pequenas vilas para viverem juntos ate a velhice
Leia mais...
Transtornos de ansiedade mais comuns em crianças
Leia mais...

0 comments

Responder