14_Capa_pasalix_pi.png

O zumbido no ouvido pode ocorrer por vários fatores, desde uma simples gripe, até uma situação temporária após sair de um local barulhento, por exemplo. Porém, muitas pessoas estão associando o zumbido no ouvido também à ansiedade.

Normalmente essa situação tem a ver com a ativação dos folículos dentro do ouvido que causam o barulho, incluindo a forma como eles foram danificados e o fluxo sanguíneo recebido do cérebro. Aparece como consequência de outros fatores em pessoas mais velhas e pessoas que tiveram perda de audição, além disso, infecções no ouvido, efeitos colaterais de medicamentos e alguns problemas neurológicos raros.

Já no caso do zumbido causado pela ansiedade, ele raramente persiste por muito tempo, mas pode contribuir para o zumbido crônico. Ele tende a acontecer no pico do ataque de pânico ou ataque de ansiedade e a diminuir lentamente conforme o ataque de ansiedade também diminui.

Isso leva muitas pessoas a acreditarem que o zumbido no ouvido pode ser causado por algum tipo de problema na pressão sanguínea ou pressão da cabeça. Algumas pessoas sentem o ouvido cheio durante um ataque de ansiedade, o que de fato indica que alguma coisa mudou dentro do ouvido.

O fato é que a ansiedade pode causar um problema conhecido como “hipersensibilidade”, que é quando você fica extremamente atento em cada dor, sentimento ou sensação do seu corpo. Além disso, a ansiedade pode impedi-lo de ignorar alguma coisa que está causando estresse.

Outro problema ocorre se você já tinha zumbido no ouvido e conseguiu ignorá-lo. Pesquisas recentes descobriram que o estresse é um causador do problema, e pode deixá-lo mais barulhento do que era antes.

Como ou por que ainda não está claro. É provável que a ansiedade e adrenalina causam uma mudança na pressão sanguínea que acabam estimulando ainda mais o que está causando seu zumbido.

Os casos mais persistentes impedem a pessoa de viver normalmente, e pode até influenciar na qualidade do sono. Se o seu zumbido no ouvido está aumentando e ficando insuportável, procure um médico.

0 comments

Responder