Conteúdo recente

Em períodos de mais estresse e preocupações um chá pode cair bem. É uma bebida que ajuda a relaxar o corpo antes de dormir, proporcionar um momento relaxante ou trazer mais energia para começar o dia. E além de ser uma bebida muito fácil de fazer, algumas ervas podem ser cultivadas dentro de casa, sem precisar de muita experiência ou espaço, e deixando seu chá ainda mais gostoso. Veja as que separamos para você:

Camomila
A camomila não é só uma das ervas mais comuns do mundo como também é muito fácil de cultivar. Você pode comprar sementes e plantá-las em casa, deixando o vasinho em um lugar bem iluminado, ou já comprar as mudas cultivadas. Depois, é só colher as flores assim que florescerem e secá-las ao sol antes de misturar com a água fervida.

Menta
Dessa erva existem muitas variações na natureza, mas todas elas podem ser cultivadas desde que os ambientes sejam iluminados ou de meia luz. O principal é lembrar que a planta prefere o solo úmido, por isso, não esqueça de regá-la. Você pode usar as folhas frescas para o chá ou secar os ramos ao sol para usar depois.

Jasmim
O chá de jasmim é ideal para quem quer relaxar. Essa é uma planta que cresce para cima, no estilo trepadeira, e que gosta de sol. Use algum tipo de apoio ou arame para que ela tenha um suporte ao crescer. Colha as flores assim que nascerem e use-as frescas para o chá. Uma dica: soltar as pétalas vai ajudar a deixar o chá ainda mais saboroso 😉

Erva-cidreira
Outra erva bem popular dos amantes do chá, a erva-cidreira tem um plantio fácil e dá pequenas flores que atraem abelhas. Mas são as suas folhas cítricas que rendem um chá delicioso, e podem ser usadas com esse propósito tanto secas quanto frescas e recém-colhidas.

Agora que você já sabe como cultivar essas ervas em casa é só preparar um cantinho e começar o cultivo, para logo mais ter chá totalmente natural no conforto da sua casa.

Fonte: https://casa.abril.com.br/ambientes/4-ervas-para-cha-que-voce-pode-plantar-em-casa/

Você já ouviu falar em jardim zen? Também conhecido como jardim japonês, ele é um tipo de jardim que ajuda no relaxamento e meditação, e que pode ser feito tanto em um espaço amplo na parte externa da sua casa, como em uma versão menor – que caiba em uma mesa ou escrivaninha.

Além de ser um item de decoração, o jardim zen ajuda na prática do relaxamento, e em geral é composto por quatro elementos:

Areia: representa o mar e está relacionado à paz e tranquilidade;

Pedras: devem ser usadas em números ímpares e simbolizam rochas e ilhas, onde as ondas do mar batem e dão a ideia de movimentação e continuidade;

Flores e plantas: devem ser usadas em pouca quantidade, para manter a simplicidade;

Ancinho: instrumento para mexer na areia e relaxar durante o processo.

Na versão mini do jardim zen, o projeto traz a areia branca e fina distribuída sobre a base de madeira, pedras de diferentes tamanhos em um canto e uma mini plantinha para decorar e trazer um ar mais relaxante. Na areia do jardim zen, desenhe pequenas ondulações para dar mais vida ao espaço. Como é pequeno, os bonsais são ideais para criar a vegetação necessária, além de práticos e harmoniosos com os demais elementos.

Em meio ao estresse diário, o jardim zen é ótimo para quem deseja ter um apoio para relaxar e renovar as energias, ainda mais envolvendo tantos elementos da natureza. E então, que tal montar o seu?

A pandemia afetou a vida do mundo todo de diversas maneiras, e uma delas foi a forma de trabalhar. Muitas empresas se viram obrigadas a migrar para o universo on-line da noite para o dia, assim como os funcionários precisaram se adaptar à nova rotina em casa. Mas o que muita gente achou que seria um sonho se tornou um grande desafio.

Do dia para a noite a nossa forma de trabalhar mudou, assim como nossa pressão sob as entregas. Além do receio com a contaminação pelo vírus, a preocupação em manter o nível de rendimento em meio a um modelo de trabalho em que não estamos acostumados, causou diversos transtornos que vão desde alterações do sono, ansiedade, estresse até sintomas físicos, como alterações digestivas.

Outro relato comum das pessoas em home office é que elas trabalham muito mais. Como o trabalhador já está em casa e a tensão sob sua entrega é grande, a jornada de trabalho se estende bem além do que aconteceria na empresa, agravando ainda mais os transtornos psicológicos.

Durante a pandemia, o Centro de Inovação da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (FGV-EAESP) realizou uma pesquisa que mostrou que 56% entre 464 entrevistados encontraram muita dificuldade ou dificuldade moderada em equilibrar as atividades profissionais e pessoais no home office. O levantamento constatou ainda que para 45,8% houve aumento da carga de trabalho após o isolamento. Ainda 34% dos entrevistados consideraram difícil ou muito difícil manter a motivação, e 36% opinaram difícil ou muito difícil continuar com a mesma produtividade.

Para o professor de Psicologia Social da Faculdade de Relações Trabalhistas e Recursos Humanos de Granada, Francisco Díaz Bretones, o tempo de recuperação entre uma jornada de trabalho e outra não está sendo respeitado, desencadeando um estresse crônico. “Expandimos o tempo e o espaço. Se antes o trabalho estava restrito a um lugar determinado durante certo tempo, isso desapareceu. Trabalhamos sob um guarda-sol na praia, em casa, no escritório, a qualquer hora. É a primeiro coisa que fazemos ao acordar e a última ao nos deitar. Não temos períodos de recuperação e de descanso. A recuperação física é muito mais rápida. Mas psicologicamente demoramos muito mais para voltar a um estado de relaxamento.”

Por isso, tenha em mente que seu rendimento depende da sua estabilidade tanto física quanto emocional. Crie listas de tarefas diárias para ajudar no controle da ansiedade, faça refeições saudáveis e com calma e, principalmente, respeite o tempo que seu corpo precisa para se recuperar. Afinal, a pandemia ainda não foi embora e algumas tendências vieram para ficar.

Fonte: https://brasil.elpais.com/sociedade/2020-08-09/o-teletrabalho-nao-era-isto.html

Cada vez mais estudos surgem para comprovar os efeitos concretos da meditação na saúde.

Um novo estudo feito na Universidade Johns Hopkins, Estados Unidos, mostra como meditar durante 30 minutos todos os dias ajuda a aliviar sintomas da ansiedade, depressão e dores crônicas. E os efeitos no organismo da prática frequente ainda equivalem ao do uso de

As conclusões foram publicadas no Journal of the American Medical Association (JAMA). Os cientistas avaliaram o impacto de diferentes formas de meditação sobre uma série de doenças, como transtornos mentais, insônia, diabetes, câncer e fibromialgia, problema que causa dores musculares crônicas.

Segundo os resultados, a meditação de plena consciência, uma técnica budista que consiste em parar de pensar em si e se concentrar exclusivamente no presente, foi o tipo da prática mais associado a benefícios à saúde. A técnica melhorou especificamente os sintomas de ansiedade, depressão e dores crônicas, especialmente se praticada 30 minutos ao dia

Além disso, meditar é um ótimo aliado contra o estresse, já que uma pessoa em estado de meditação consome seis vezes menos oxigênio do que quando está dormindo. Mas os efeitos para o cérebro vão mais longe: pessoas que meditam todos os dias há mais de dez anos têm uma diminuição na produção de adrenalina e cortisol, hormônios associados a distúrbios como ansiedade, déficit de atenção e hiperatividade e estresse. E experimentam um aumento na produção de endorfinas, ligadas à sensação de felicidade.

A mudança na produção de hormônios foi observada por pesquisadores do Davis Center for Mind and Brain da Universidade da Califórnia. Eles analisaram o nível de adrenalina, cortisol e endorfinas antes e depois de um grupo de voluntários meditar. E comprovaram que, quanto mais profundo o estado de relaxamento, menor a produção de hormônios do estresse.

A mente humana é um universo ainda desconhecido, porém muito poderoso. A força dos pensamentos pode operar milagres, ou causar grandes tragédias. Por isso, o pensamento positivo é essencial para a saúde, o bem-estar e uma vida mais feliz.

Teorias afirmam que o pensamento positivo funciona como um magnetismo de coisas boas. Basta ter uma atitude otimista para atrair tudo o que deseja. Esse é o princípio defendido pelo livro best seller, O Segredo, de Rhonda Byrne. Segundo o livro, no momento em que você pede alguma coisa e acredita, e sabe que já tem no invisível, o Universo inteiro se move para deixa-la visível. Com base nisso, a crença defende que os pensamentos são magnéticos e emitem uma frequência poderosa capaz de influenciar pessoas e coisas à nossa volta. Ou seja, quando você pensa positivo, entra em uma frequência positiva que atrai coisas benéficas para a vida. O pensar negativo, causa o efeito inverso.

Teorias à parte, não há dúvidas de que o estado de ânimo pode influenciar nosso organismo e atitudes de várias maneiras. Os hormônios relacionados ao estresse têm influência na consolidação da memória e acabam por afetar negativamente qualquer processo. Em longos períodos de irritação e melancolia, predomina a produção da cortisona, um hormônio imunossupressor que diminui a ação do sistema imunológico.

Pesquisas já comprovaram que pessoas com disposição para ver o lado positivo da vida tendem a cuidar mais da saúde, se exercitar e se alimentar melhor. Não faltam exemplos de que alguma coisa parece funcionar a nosso favor quando estamos motivados e temos uma atitude positiva.

Não custa praticar!

Quando pensamos em planejar nossa semana, não contamos com diversos imprevistos que fogem do nosso controle e que podem prejudicar a saúde mental. No entanto,  podemos (e devemos) criar momentos que façam o contrário, nos ajudando a manter o equilíbrio.

 

Se você passa muitas horas do seu dia trabalhando em algo que não te motiva ou mantém relações próximas que esgotam suas energias, saiba que sua saúde emocional corre perigo.

 

De acordo com Lucrécia Thobias, psicóloga da rede municipal de saúde do Rio de Janeiro, muitos pacientes desencadeiam problemas graves de saúde em decorrência do estresse, como cardiopatias, hipertensão arterial, obesidade, insônia, depressão, doenças no aparelho digestivo, entre outros.

 

Inspira e respira

Uma das dicas da profissional é atenção na respiração, com exercícios que promovam a calma quase instantaneamente. Eles podem ser feitos diariamente para prevenir ansiedade ou até mesmo durante uma crise, caso seja possível. 

 

Qualquer que tenha sido o gatilho da tensão ou da sensação de ameaça, reserve um momento para estar só, de preferência em silêncio. Veja o passo-a-passo:

 

“Sente confortavelmente, sinta os pés no chão, preste atenção neles tocando o solo e em como você está no controle dessa ação. O objetivo é se conectar com o presente e consigo. Faça uma concha com as mão e envolva nariz e boca. Puxe o ar lentamente pelo nariz, solte pela boca, com calma, por aproximadamente 1 minuto ou até sentir-se melhor”.

 

Atividades com o corpo

A endorfina é um hormônio liberado pela glândula hipófise durante as atividades físicas, estimulando o corpo a sentir alegria, prazer e conforto. Além disso, praticar exercícios reduz os hormônios causadores do estresse.

 

Por isso, escolha algo que combine com você e que seja prazeroso. Pode ser dança, sequência de exercícios aeróbicos, aulas de ioga, caminhada, pilates e, por que não, uma brincadeira com as crianças usando bola e bastante movimento?

 

Criatividade e mente ativa

A arte é uma porta para o autoconhecimento, o qual é a chave para se alcançar equilíbrio emocional. Manter-se ativo com leitura, trabalhos manuais e que envolvam criatividade é uma forma saudável de usar seu tempo.

 

Não à toa, o isolamento social tem trazido hábitos antigos como o bordado ou atividades com tinta, tecido, papel, entre outras. São práticas que beneficiam a capacidade psicomotora e cognitiva e ativam a paciência.

Atividades artísticas nos estimulam a refletir sobre nossos sentimentos, a nos expressar e nos comunicar de forma subjetiva e profunda. Usar a criatividade para produzir alguma coisa com as mãos aquieta a mente, te coloca no presente, trazendo o bem-estar tão fundamental para manter o estresse longe.
 

Alimentação

É comum optarmos por alimentos ricos em gordura e açúcares quando estamos estressados. Isto porque a rápida elevação na glicose nos causa prazer. A má nutrição, entretanto, nos impede de desempenhar bem das funções mais básicas, como evacuar, às mais exigentes, como o trabalho intelectual. 

 

Duvide de dietas radicais e foque na reeducação alimentar. Mude aos poucos seus hábitos, inclua mais vegetais e frutas que você verá a mudança acontecer.

 

Afetividade

Somos seres sociáveis, interdependentes e precisamos uns dos outros para viver bem. Conte com sua rede de apoio, seja em família, amigos, ou pessoas próximas de seu convívio para conversar, compartilhar uma refeição e acrescentar mais calor humano na sua rotina. 

 

Relacionamentos são importantes e nos fazem sentir mais seguros e confiantes para lidar com as questões pessoais geradoras de conflitos. A ajuda do outro pode ser um recurso emocional valioso em momentos de estresse.

 

 

A indesejada cefaleia pode ocorrer a qualquer hora do dia, mas algumas pessoas a sentem com frequência no período da manhã, ao acordar. Veja 4 possíveis motivos para isso estar acontecendo. 

Inflamação das vias nasais

Uma grande causa de enxaqueca matinal são os quadros de alergia ou infecções que provocam o inchaço sinusal. Quando há inflamação nas vias nasais (atrás dos olhos e face como um todo), resultado é uma enxaqueca horrível. 

Distúrbios do sono

O estresse, as preocupações cotidianas ou a ansiedades podem prejudicar a qualidade do sono, fazendo com que surjam transtornos que não nos permitem dormir ou descansar corretamente. Quando não acontece o chamado sono revitalizador, a enxaquecas é uma das desagradáveis consequências. A dor de cabeça matinal também pode indicar quadros de apneia do sono, quando ocorrem leves paradas respiratórias enquanto dormimos. Nesse caso, o cérebro não recebe oxigênio nestes segundos, provocando dor. 

Tensão muscular

O estresse do dia a dia também é culpado por nos sentirmos sempre tensos, e o nosso corpo responde a isso com uma musculatura mais enrijecida. Ora por não dormirmos o suficiente, ora por estarmos em uma postura incorreta, os músculos do pescoço e ombros ficam tensionados, fazem pressão sobre o crânio e produzem dor de cabeça. Até mesmo o bruxismo, que é a situação de ranger os dentes inconscientemente ao dormir, pode tensionar os músculos da face e pescoço e causar dor. Assim como os problemas posturais. 

Pressão arterial e diabetes

Ambas condições podem desencadear enxaqueca pelas manhãs. Isso ocorre, pois os vasos sanguíneos se dilatam, a pressão do fluxo sanguíneo aumenta e os músculos ficam tensos, incidindo sobre a cabeça.

Lembrando que, o mais importante, é procurar um médico para saber ao certo o que está acontecendo.

Ranger os dentes, apertar com força a mordida involuntariamente, é o que faz do bruxismo um transtorno incomodo e prejudicial para saúde.

Além dessa desordem funcional provocar um desgaste nos dentes e dores na musculatura e na cabeça, ele é um sintoma, ou seja, sua ocorrência pode indicar outros distúrbios de origem emocional, como ansiedade e estresse.

Nem sempre diagnosticá-lo é tão fácil, pois ocorre com maior frequência durante o sono, porém, uma vez percebido, é de grande importância que seja realizado o tratamento adequado.

O tratamento ocorre através de ansiolíticos para o controle dos quadros de estresse e ansiedade que podem estar associados ou/e pelo uso de placas intercruzais flexíveis de silicone ou as placas rígidas de acrílico, moldadas segundo o formato da arcada dentária do paciente. Elas ajudam a restringir os movimentos dos músculos mastigatórios e a reduzir o atrito que provoca o desgaste e o abalo dos dentes.

O trânsito é um problema crônico das grandes cidades, fazendo com que a pessoas passem longas horas nos meios de transporte. Com tantas horas perdidas, temos uma queda intensa na qualidade de vida. Atividades de lazer, descanso, ou mesmo momentos que podem ser usados com a família, são deixados de lado na rotina.