Autor: Pasalix® _ Pasalix®Pi

Os filhos são os reflexos dos pais, e muitas vezes são “contaminados” pelo clima da casa. É com a correria da rotina que aprendem a serem mais acelerados, hiperativos e a terem cada vez menos paciência.

Essas atitudes podem ser desencadeadoras de quadros de ansiedade, e com o tempo, trazerem grandes prejuízos à saúde física e mental das crianças.

Algumas dicas podem ajudar aos pais a ensinar as crianças que ter paciência, além de preparar para as dificuldades e obstáculos da vida, ainda pode melhorar a saúde física e mental. Confira:

1. Dê o exemplo: muitas vezes pedimos para que nossos filhos tenham paciência para esperar, mas exigimos tudo na hora. Diminuir o ritmo das atividades em casa também colabora para um clima mais tranquilo e agradável, sem pressa ou correria, vivendo tudo no seu tempo.

2. Não deixe a criança te interromper: quando estiver conversando com outra pessoa, ou estiver no meio de uma atividade, não permita que seu filho o interrompa insistentemente. Peça para que ele espere um pouquinho, até que termine o que está fazendo ou consiga uma pausa para atendê-lo. Mas antes certifique-se de que não se trata de uma situação de urgência.

3. Treine a paciência com pequenos gestos: quando seu filho chama, você costuma deixar tudo o que está fazendo para atendê-lo? Costuma apressar alguma situação somente pensando em satisfazê-lo? Pense que essas atitudes podem estar apenas reforçando a impaciência dos pequenos. As crianças estão o tempo todo testando os pais, e quando percebem que determinada atitude funciona a seu favor, vão repeti-las para garantirem o que querem. Portanto, ensinar a esperar está nos pequenos gestos do dia a dia.

4. Fale sobre eventos e datas futuras: é importante ter em mente que a referência de tempo das crianças é diferente da referência dos adultos. Portanto, não é aconselhável falar sobre eventos e datas que acontecerão daqui a um longo tempo, já que isso pode gerar uma ansiedade, enquanto o tempo demorará muito para passar. Porém, caso se trate de uma data relativamente próxima, é interessante mencionar, pois a criança aprende a esperar o que tanto deseja. Por exemplo, “a viagem de férias será em uma semana”, ou “você ganhará esse presente no seu aniversário, que será no próximo mês”. Se for necessário, mostre no calendário e ajude-o para que entenda como funciona a passagem do tempo.

Um fenômeno que para nós ocorre literalmente num piscar de olhos. Mas você sabe tudo o que acontece com seu corpo quando você dorme?

1ª hora de sono: a temperatura corporal diminui e o sangue duplica a quantidade de leucócitos.

2ª hora de sono: as células passam por um processo de recuperação.

3ª hora de sono: a consciência é dominada pelos sonhos e o cérebro continua a trabalhar.

4ª hora de sono: entramos em uma fase de sonho leve.

5ª hora de sono: todos os órgãos descansam e o fígado continua ativo promovendo a limpeza do corpo.

6ª hora de sono: momento de baixa tensão arterial. Pulsação e respiração lentos.

7ª hora de sono: o cérebro fica com uma quantidade mínima de sangue e está preparado para acordar.

8ª hora de sono: os rins descansam e os músculos cochilam.

9ª hora de sono: o corpo prepara-se para despertar.

10ª hora de sono: a hora mais importante do sistema imunológico.

Ter mais qualidade de vida é mais simples do que parece, e funciona quase que como uma fórmula para ser mais feliz. Então, por que ainda temos dificuldades em adotar um estilo de vida mais leve e não aplicamos atitudes simples que podem transformar nossa vida?

A correria do dia a dia e o atropelo com que encaramos as obrigações em nossa rotina, fazem com que poucas vezes haja tempo para pensarmos e planejarmos a nossa vida. Refletir sobre o que aspiramos, sobre o que nos faz sentir bem, observar e valorizar pontos positivos e os fatos que realmente importam, ficam de lado em meio a tantas obrigações e pensamentos práticos com relação ao que devemos ser e fazer.

Qualidade de vida está diretamente relacionada a hábitos positivos e à forma com que encaramos as situações em nosso dia a dia. Seguindo alguns passos básicos e incorporando-os em nossa rotina pode ser uma boa forma de atingirmos a sonhada qualidade de vida e, por consequência, sermos mais felizes e saudáveis.

1. Começando pela alimentação
Adotar uma alimentação equilibrada, saudável e completa em nutrientes e vitaminas é fundamental para uma boa qualidade de vida. Tudo o que ingerimos afeta nosso modo de vida, humor e disposição. Em logo prazo, uma boa alimentação previne o aparecimento de doenças e combate o envelhecimento.

2. Exercícios físicos na rotina
Encaixar os exercícios físicos na rotina, a princípio, parece torná-los mais uma obrigação. Porém, a prática de exercícios regularmente traz muitas vantagens: faz bem para a saúde do corpo e da mente, à medida em que representa um tempo voltado somente para nós mesmos. Os exercícios proporcionam o controle do peso, uma vida mais saudável, além de gerar uma série de reações, em nosso organismo, responsáveis pela sensação de prazer e satisfação. Cuidado: o bem-estar gerado pela prática de exercícios físicos pode viciar positivamente!

3. Pausa para balanço
As vezes tudo que o nosso corpo e mente precisam é de um pouco de descanso, e a rotina enlouquecedora em que vivemos poucas vezes permite isso. Mesmo que estejamos de folga, nossa cabeça está sempre alerta, conectada e trabalhando.
Conquistar qualidade de vida significa buscar atividades que fujam da rotina, nos ocupem prazerosamente e nos façam curtir mais o presente, e o melhor é quando isso pode ser feito com frequência. Dar uma “desligada” nos ajuda a recarregar as energias para que, ao final, possamos voltar à nossa rotina com força total!

4. Favorecer os relacionamentos interpessoais
Cada vez mais está em pauta temas como a empatia, que nada mais é do que a habilidade de nos colocarmos no lugar dos outros. Em tempos de intolerância, em que os interesses individuais são colocados como prioridade, percebemos uma sociedade mais fechada e cercada pelo egoísmo. Favorecer relacionamentos interpessoais, cultivar antigas amizades e promover um círculo social ativo, ajuda a prevenir sentimentos como solidão, desamparo e até mesmo a depressão.

5. Manter uma rotina organizada
Organizar a rotina não significa preencher o dia inteiro com obrigações que devem ser seguidas à risca, mas sim planejar. Quando planejamos nossa rotina, podemos aproveitar melhor o tempo livre e encaixar atividades que sempre deixamos de lado por falta de tempo.

6. Pensamentos positivos sempre!
Já ouviu dizer que coisas boas atraem coisas boas? A verdade é que pensar negativo não ajuda em nada. Pensar positivo nos torna mais otimistas, motivados, dispostos, com bom humor e felizes. Naturalmente, pessoas felizes e satisfeitas conquistam mais seus objetivos e dão mais atenção ao que realmente importa, do que aqueles que tendem a encarar a vida de forma negativa.

7. Gentileza gera gentileza
Já fez a sua boa ação hoje? Muitas vezes boas ações não significam participar de algum trabalho voluntário, ou fazer doações em dinheiro a quem necessita. Às vezes apenas um sorriso, um gesto de solidariedade ou um ato de gentileza pode tornar a sua vida e a dos outros muito melhor. Faça esse teste quando sair de casa!

O período de isolamento, para muitos, já se estende em muitos meses e essa situação tem elevado os níveis de ansiedade das pessoas que seguem essa orientação. O estresse é ainda mais alto nas famílias com crianças, que se esforçam em equilibrar o cuidado com os filhos, muitas fezes em rotina de aulas on-line, mais as obrigações do trabalho remoto.

Com as aulas presenciais e o contato social suspensos, as crianças, que são naturalmente dotadas de muita energia e curiosidade, estão desenvolvendo formas de ansiedade durante o isolamento.

Tudo isso se intensifica quando o acesso aos aparelhos eletrônicos é facilitado e esse recurso é utilizado com intensidade para “distrair” e ocupar o tempo.

As consequências nas crianças podem ser observadas através de alguns sinais como alterações das funções cognitivas, das habilidades sociais, do padrão do sono, flutuação do humor, do apetite, pois muitas crianças passaram a comer mais, dificuldades de concentração e, principalmente, queda no desempenho escolar.

Junto a isso, o ambiente familiar torna-se conflituoso, já que os pais estão estressados e que pode contribuir para o agravamento da ansiedade nas crianças. O desafio está em distinguir as reações, que normalmente são confundidas com birra ou preguiça.

Algumas crianças também apresentam queixas físicas como dores de cabeça, de barriga, o que pode dificultar o diagnóstico.

É importante os pais ficarem atentos às mudanças de comportamento da criança, buscando compreender a relação do momento presente com os sintomas. O apoio familiar é fundamental como forma de acolhimento, sem pressionar ou criticar a criança.

Um banho quente pode operar um verdadeiro milagre em nosso corpo. Pode ser uma atividade totalmente relaxante e revigorante ao mesmo tempo, tem um papel incrível após um dia cheio e complicado, pois ajuda a desestressar e aliviar as preocupações e, quando se torna um costume frequente, garante bem-estar e qualidade de vida.

Não é à toa que a água aquecida é usada em várias culturas como parte da medicina alternativa em tratamentos e cura de enfermidades, por meio de técnicas terapêuticas naturais. Ao longo dos anos, o que antes só traziam benefícios práticos, foi comprovado pela ciência.

Veja alguns dos efeitos de um belo banho quente no corpo!

1. Melhora a circulação sanguínea

Ao promover o relaxamento muscular e das articulações, um banho quente tem como efeito a melhora da circulação sanguínea, garantindo um maior relaxamento ao corpo.

2. Estimula o corpo

Ao aquecer o corpo você tem mais disposição para a prática de atividade física. Sobretudo pela parte da manhã, pois quando acordamos, a nossa estrutura muscular costuma estar retraída por conta da noite inteira de sono.

3. Alivia tensões e dores musculares

A simples ação de deixar a água quente cair no nessas regiões que sofreram com “mal jeito” e dores, funciona como uma massagem no corpo.

A água em uma temperatura mais alta, os músculos ficam mais relaxados o que aumenta a circulação sanguínea. Isso ajuda a eliminar as toxinas que provocam a dor.

4. Combate as cólicas

Deixar a água quente cair sobre a barriga permite o relaxamento dos músculos internos que contraem e causam as cólicas.

5. Induz ao sono

O banho quente ajuda a relaxar e sinalizar que é hora de “desligar” o corpo. Por isso é muito indicado tomar um banho com água morna antes de dormir.

6. Combate os sintomas de resfriados e gripes

O banho aumenta a transpiração. Assim que o corpo vai esfriando com o próprio suor gerado os vírus vão sendo expelidos.

7. Revigora

O banho quente deixa mais bem disposto para cumprir a sua rotina diária, melhorando no quadro de saúde e bem-estar geral!

Muitos podem confundir os significados de terapeuta e psicólogo e acabarem, vez ou outra, utilizando essas palavras como sinônimas. Porém a diferença entre elas está relacionada à formação do profissional.

Ambos atuam na área da saúde e dedicam-se a auxiliar pessoas nos tratamentos emocionais, desvendando juntamente com o paciente caminhos para que tenham mais qualidade de vida, bem-estar e alegria.

Porém, o terapeuta é formado em uma ou mais áreas de assistência à saúde humana, seja física ou psicológica, como por exemplo a formação em “terapia holística”, que foca no conjunto corpo, mente e espírito, enxergando o ser humano em sua totalidade. A principal diferença entre terapeuta e psicólogo nesse caso é que o primeiro atua sem graduação superior.

O Brasil reconhece, ao todo, 29 práticas terapêuticas. O Sistema Único de Saúde (SUS), inclusive, oferece muitas delas.

Já o psicólogo é o profissional com bacharel em Psicologia. Porém, quando atua na área clínica, ou seja, trabalha diretamente com a psicoterapia, ele também é chamado de terapeuta. Este termo é a abreviação da palavra “psicoterapeuta”, muito usado na linguagem coloquial. Psicólogos que atuam nas áreas organizacional, escolar, hospitalar, entre outras, não são considerados terapeutas.

 

Roer unha pode ser considerado um vício? Sim, se considerarmos o quanto é difícil abandonar esse hábito! Estudos apontam que aproximadamente 30% da população mundial têm o hábito de roer unhas, o que tende a não ser muito bem aceito socialmente e/ou esteticamente.

ALERTA DE GATILHO

Setembro amarelo já acabou, mas é sempre bom ressaltar a importância da prevenção ao suicídio. Segundo especialistas, os distúrbios psicológicos e psiquiátricos devem ser tratados nos primeiros sinais, como nervosismo, ansiedade, e pessoas com sintomas psicóticos e alucinações.